Seis municípios do Estado têm mortes suspeitas de arboviroses e seguem em investigação.

Neste ano, 60 municípios do Estado estão com incidência alta de casos, indicando surto. Segundo o último relatório de arboviroses, divulgado pela Secretaria de Saúde da Paraíba, o estado já registra 11.430 casos prováveis em 2022. Apenas em abril foram registrados mais de 3 mil casos prováveis de dengue, mais de 2 mil de chikungunya e 193 casos de zika.

O médico-veterinário Fábio Targino, membro da Comissão Regional de Saúde Única destacou os cuidados necessário para o combate a proliferação do Aedes Aegypti, mosquito transmissor de arboviroses, entre eles que a população esteja sempre atenta em suas residências, mantendo o cuidado para não acumular e deixar água parada.

“Também são medidas importantes, procurar o médico e consulta nos postos de saúde quando perceber alguns sintomas: dores no corpo, febre, manchas vermelhas pelo corpo. Não promover automedicação, e conscientizar familiares e vizinhos, afinal, esse é um enfrentamento coletivo”, disse Targino.

Também como residente multiprofissional, Fábio atua diretamente nas comunidades, criando estratégias permanentemente de educação em saúde e sensibilizando a população sobre esses determinantes. “O papel do médico-veterinário atuando na atenção básica, no contexto da saúde da família, é primordial para termos a essência das práticas de vigilância em saúde, acabamos criando esse vínculo entre ela e a atenção básica, que infelizmente nem sempre existe”, concluiu Fábio.