O Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-PB) se reuniu com o Batalhão da Polícia Ambiental do Estado, na última quarta-feira (20), para tratar sobre o termo de cooperação técnica, que envolve parcerias com outros órgãos como a Secretaria do Meio Ambiente (Semam) e o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas). Esse termo tem o intuito de aumentar a sobrevivência de animais silvestres apreendidos, assim como ter um serviço de apoio 24h, já que a maioria das apreensões são realizadas durante à noite, adentrando a madrugada .

O objetivo maior do encontro foi firmar a parceria entre o CRMV-PB e o Batalhão para realização de cursos de aperfeiçoamento, como também trazer solução para locais de apreensão e um futuro projeto de construção nas áreas do Batalhão para receber animais que foram encontrados com risco e precisam de atendimento rápido, enquanto o Cetas não abre para o horário de tratamento usual. 

“É de grande importância que nós andemos juntos, porque trabalhamos pelas mesmas causas e incluir os animais silvestres com um acolhimento adequado, com médicos-veterinários da área é de extrema necessidade para o resgate, cuidado, readequação e posteriormente a soltura desses animais”, enfatizou Valéria Cavalcanti. O CRMV Paraíba irá enviar o termo que é padrão do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV)  para que o jurídico do Batalhão possa analisar e fazer as considerações.

Estiveram presentes na reunião a presidente do Regional, méd. vet. Valéria Cavalcanti, o presidente da Comissão Regional de Animais Silvestres, med.vet Glenison Dias  e o chefe da divisão do zoológico Arruda Câmara, o med.vet Tiago Nery, os quais levaram ideias para condução de um curso de resgates e manejo desses animais ao Batalhão de Polícia Ambiental que estava sendo representado pelo Coronel Melquisedec Lima, o Capitão Eduardo Cunha e o Tenente Walter Swendson.