Considerado um método terapêutico e educacional, a equoterapia utiliza o cavalo numa abordagem interdisciplinar nas áreas de saúde, educação e equitação. O intuito é a busca pelo desenvolvimento biopsicossocial de pessoas portadoras de deficiência e/ ou necessidades especiais. O Dia da Equoterapia, 9 de agosto, foi criado pela Lei nº 12.067, de 29 de outubro de 2009. O objetivo da data é difundir a prática na sociedade.

O médico-veterinário tem atuação importante dentro da equipe multidisciplinar, composta também por médico, psicólogo, fisioterapeuta e profissional de equitação. “Nós garantimos o melhor manejo sanitário e nutricional para o animal, bem como seu bem-estar. Ou seja, cuidamos da saúde mental e corporal do animal e também auxiliamos na escolha do melhor cavalo para cada tipo de praticante”, esclarece a médica-veterinária Ana Gabriela Nascimento, docente de Equinocultura e Anatomia e Fisiologia Animal do Instituto Federal do Tocantins.

Ela revela que um dos segredos de um bom resultado está, por exemplo, no manejo sanitário e nutricional. “É importante também escolher um cavalo de temperamento tranquilo, com  estatura mediana. Os machos devem ser castrados. Eles passam por treinamentos específicos, não podem se assustar facilmente e devem estar familiarizados com os diversos recursos que os terapeutas utilizam durante a sessão”, detalha a médica-veterinária.

Assessoria de Comunicação do CFMV